A INFÂNCIA PASSOU


Oh! infância,
por que te sucumbiste no tempo?
Tu eras tão linda,
davas-me um viver de alegria...

Eu sentia em ti liberdade,
corria em disparadas
pelos campos das borboletas...

Brincava com a joaninhas,
meu rosto suado de tanto brincar

era enxugado pela brisa....

Oh! infância,
Ainda está em mim a criança,
Que deixaste no caminho
da vida...

Oh! Infância,
Eu não via nuvens cor de bronze,
Via-as como fibras de algodão
em permanente mutações,
formavam-se figuras de
de monstros imaginários,
mas,

também, de grandes corações...
E deliciar-me com as cores
que colorem a natureza...

Deixaste na minha alma,
o amor.

(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de A a E