AMOR DISTANTE

Penso muito, mas não encontro
uma resposta plausívelque venha minimizar
as agruras de um solitário coração.

Não vejo, justificativa,
E por isso, vivo em perene reflexão
Não sei avaliar e,
principalmente, como fazer e se é possível
suportar de um amor a indiferença.

Faço ao meu amor um apelo,
volta, vivo a esper por ti...
Sei que o pecado foi meu,
peço-te, por isso, o teu perdão...

Passo minha noites insone
E confusas pela a intranqüilidade,
Ao lembrar-me do carinho dos teus beijos.

Não consigo, já tentei,
submeter-me a essa realidade,
domina-me a ânsia da solidão,
não suporto a tua ausência,
sofre muito o meu coração.
É essa a minha verdade...
Se quiseres voltar,
viveremos entre sonhos e quimeras,
deixaremos de lado
o que nos impõem as convenções
e seguiremos à risca
o que nos pedirem os nossos corações...
Quero ser coerente
e mostrar que cumprirei o prometido,
eu sei que errei
ao não cumprir a nossa jura de amor,
peço o sacrifício do teu perdão...
Não devemos
precindir de um viver de felicidade...

(Tarcisio Costa)

Inicial
Poemas de A-E