ARCA DE OURO


Era uma manhã diferente...
O sol mantinha-se afastado, distante,
As árvores estavam silenciosas,
Não se vinha ninguém,

As esquinas estavam vazias,
Uma chuva aumentava a tristeza...

Havia um silêncio que maltratava,
Uma sensação de ausência dominava o presente.
Havia inércia das nossas articulações,
Físicas e intelectuais, sentia o mundo inerte,
Imaginavam-se trombetas distantes,
A tocarem hinos da redenção...

Rompeu-se o silêncio.
Os mares estremeceram, as vagas reclamavam...
Surgiram os primeiros pássaros do dilúvio de incerteza,
Abriu-se a arca de ouro, estavam lá, os mandamentos...
Tudo recomeça, ressurge a vida,
Na esperança...

(Tarcisio Costa)


Inicial
poesias de A-E