ASSIM NASCEU UM POETA


Um dia, ele partiu sem rumo,
Abandonou todas as suas tralhas
Nos cantos da velha alcova escura...

Deixou tantas palavras de amor
Nas paredes do velho casarão...
Ficou lá, gravado, o coração
Da infância de beijos e abraços.

Adulto, ficou sem saber para onde ia,
As vicissitudes desnortearam o seu ser...

Numa manhã escreveu uma poesia,
Vejam, isso não era uma loucura!
Foi quando descobriu o que queria,
Tomou a decisão de ser um poeta...

Nasceu-lhe uma vida de fantasia,
Criou, então, seu próprio mundo.
Tudo o satisfazia, o muito ou o pouco...
Viu que, na verdade, era um esteta
E por fazer poesia, era um poeta,
Um amigo da natureza...
Jamais um louco.

(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de a a E