CARTAS DE AMOR

Ainda me lembro das cartas de amor
Que eu recebia das minhas namoradas,
Como eram carinhosa, cheia de calor,
Geralmente, chegavam perfumadas...

O envelope era sempre lindo, uma obra de arte,
Dentro vinham duas ou mais folhas de carinho,
Lia-as, cheio de saudade, sempre sozinho,
Tinha beijos de batom em toda parte.

Enquanto eu as lia, agitava-se o meu coração,
As frases eram sempre coloridas de saudades,
Elas me falavam das últimas novidades...
Meus olhos com lágrimas de emoção.

Repetia várias e várias vezes a leitura,
Eram momentos de inigualável paixão,
Cada palavra refletia no meu coração,
O embalo do meu sonho de ternura.

Elas gostavam de fazer poesias,
Nas quais retratavam o seu amor,
Eram versos singelos, com o calor
Nascidos das suas fantasias.

Os seus versinhos eram pura emoção,
Falavam-me sempre de saudade,
Mostrava para mim a realidade
De como vivia o seu coração.

Era versinhos diziam coisas, assim:

"Meu amor,

Escrevo-te esta cartinha
Porque me pede o meu coração,
Sonho contigo em todos momentos
O desejo de te ver me enche de emoção,
Escreve-me logo, me dá essa felicidade,
Volta, amor, vem matar minha saudade,
Implora-te o meu coração."

Aqueles versinhos eu os lia e relia,
Sentia um misto de tristeza e de saudade
E isso era tudo o que eu mais queria,
Ouvir dos meus amores, essa verdade!

(Tarcisio Costa)

Inicial
Poemas de A a E