PERDÃO

Pedir perdão é um ato de humildade, perdoar é um ato de amor.
Muitas pessoas, vulgarmente, dizem que compete somente
Deus o ato do perdão. É verdade, mas o perdão de Deus
tem as suas condicionantes, além de uma maior profundidade.
A Deus, pela a sua onipotência perdoa às falhas que cometemos,
às injustiças que praticamos, as maldades do nosso egoísmo,
a violação do templo do Espírito Santo, que é o nosso próprio corpo.

Cristo teve o cuidado de nos ensinar uma oração, que diz
Perdoai as nossas ofensas, assim como perdoamos a quem nos
tem ofendido. Portanto, essa bela oração explicita que o Pai
nos perdoará se perdoarmos a quem nos ofendeu. Então, o
nosso perdão é indispensável para termos essa sagrada benesse de Deus.

Não significa, isso, que não tenhamos mágoas no nosso coração.
Seria uma anomalia do ser humano esquecer totalmente aquilo
que o feriu, o ultrajou, mas, é, exatamente aí que está
o valor do perdão.

Mesmo magoados oferecermos o nosso perdão. Perdoar não é esquecer,
perdoar desejar o bem, não querer vingança, amar...
Perdoar não nos traz dor, pelo contrário, tira do ser humano o
peso da revolta, do ódio, por isso, é uma fonte de tranqüilidade,
é um lenimento para a nossa alma, um alívio para o nosso coração.

Acho que o perdão é o instrumento, por excelência, para edificarmos
o amor e nos credenciarmos para a compreensão e as bênçãos do Salvador.


(Tarcisio Costa)



Inicial

Crônicas