DESIGUALDADE

Bem que gostaria de dizer o que sinto...
São muitas verdade,
Mas, tento e não consigo.

Como se torna impossível revelar
O meu sentimento,
Solto o meu pensamento
E o transformo em fantasia...

Vago, procuro atingir o transcendental,
Imagino como seja o convívio sideral,
Os anjos sorrindo pureza.

Do outro lado a natureza...
Faço uma série de analogias,
Penso nas minhas dúvidas,
Será que tem som o silêncio do deserto,
Vejo na minha imaginação,
Os oásis cheios de borboletas,
Misturadas às flores,
Sendo beijadas, por engano,
Pelos beija-flores...

Reflito sobre o mar, não só a sua beleza,
Mas, o abissal amedrontador...
Assim, continua a minha imaginação
Volto para o meu interior
Tão carente de amor...

Vejo as desigualdades sociais,
As discriminações...
O ser humano vive de fantasia...
Penso na tecnologia...
Os ser humano parece perdido
No seu próprio caminho...

Pode parecer confusa a minha mente,
Mas, é o filme do bem e do mal,
É a vida real,
Tão somente!

(Tarcisio Costa)

Inicial
Poemas de A a E