DESILUSÃO II

Nos meus versos...

Faço-lhe declarações de amor,
Tento sensibilizar o seu coração.
Mostro-lhe a minha tristeza,
Falo-lhe da minha dor

Assim, vivo...

Sofrido pela incerteza,
O meu pensamento vive em desalinho.
Faço-lhe, então, nos meus versos,
Apelos pelo seu amor!

Mas parece que ela não me ouve
Ou, quem sabe, não me quer,
Porque, indiferente, nem sequer
Me diz um sim ou um não.

Não há coração
Que suporte tanta incerteza.
Vem daí essa minha tristeza, E essa desilusão! .


(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de A a E