VIDA CONFUSA
Tarcísio R. Costa


Confiei no teu caminho,

“Quebrei a cara!”
Vi "cobras e lagartos",
As madrugadas
Me levavam sem rumo...
Tuas manias fizeram de mim
"Gato e sapato".
Não suportei mais a fantasia
De me equilibrar na ponte,
Olhando para o monte
Onde o "gato mia",
Lá é a fonte da orgia...
Não quero mais andar de marcha à ré
E nem varrer com vassoura a fé.

Mas, eu não sou nenhum “Mané”.
Do passado eu já vim,

Espinhei-me, "engoli sapo".
Cheguei escabreado,

Estou, assim, "com a orelha em pé",
Sem muito papo,
Desconfiado de tudo.
Até de mim...

**************************************************

CAMINHOS ERMOS
Bernardino Matos


Em dado momento da vida,
senti meu caminho estreito.
a alma presa,rota, puída.
vi meu enlace desfeito.

De fato, toquei na ferida,
mas errei no tratamento,
escolhi mudar de vida,
procurando um novo alento.

Virei tudo pelo avesso,
passei a trilhar por atalhos,
ermos,onde só existia tropeço,
perdi tudo, fiquei sem agasalhos.

Nas madrugadas frias,
só encontrei solidão,
aventuras bem vazias,
deixaram-me rente ao chão.

Eu havia esquecido de me encarar,
de olhar para dentro de mim,
vivi amarguras sem par,
mas relutei mesmo assim.

Hoje,quando repasso,
esse trecho de minha estrada,
vejo que naquele descompasso,
perdi meu tempo com a pessoa errada.

Ainda bem que consegui,
retomar o meu caminho,
só Deus sabe o que sofri,
pra encontrar a rota do carinho.

Aquela vida confusa,
me deixou ressabiado,
pra curar esse mal se usa,
o amor puro, divinizado.

Duetos
Inicial