SONETO À MUSA
Terê Penhabe


És musa que ao poeta tanto anima,
Roubas o sono, a paz, tranquilidade,
E sendo da poesia a rica rima,
És num só coração, felicidade.

E nesse coração, colhes estima,
De quem vai te esperar na eternidade.
Que sendo musa és também menina,
E viverás na eterna mocidade.

Tu és aquela que eu queria ser...
Que pode ser até que eu tenha sido,
Mas displicente, sem ter percebido.

Porque hoje sei que enquanto sonhei ser,
A musa que já era e não sabia...
Um sonho declinava na agonia.
**************************************************

SONETO À PROCURA DE UM AMOR
Tarcísio R. Costa


A cadência da poesia
Tem das fadas, a beleza,
É sonho, é encanto é certeza
Do palpitar da alegria.

Som plangente do violão,
Na companhia do violino,
No toque do feminino,
Agita o meu coração.

Esses meus sentidos versos,
Bradar de mim sonhador,
São sentimentos inversos.
De um ilusório clamor.
É o meu sonhar, emerso
À procura de um amor.

Duetos
Inicial