NOSSOS SENTIMENTOS
Tarcísio R. Costa

Ninguém jamais pôde esconder
O que se passa na nossa alma,
Lá estão os nossos sentimentos
Que significam a nossa verdade,
São acontecimentos que vão
Da frustração ao amor...

É impossível esconder o que está na alma,
Porque os olhos os expõem,
Seja através de um brilho cintilante,
Ou pelas lágrimas que brotam
E nos deixam enternecidos,
Cheios de amor...

O amor é o sentimento por excelência
Tem doçura, tem sutileza e é cheio de magia,
Mas às vezes revela-se quase inconcebível.
Só o poeta sabe revelá-lo na poesia.

O amor é entendido
Por quem ama, o vivencia...
Nele, não há limite, é imensurável,
Ele tem a leveza de uma flor,
Mas tem a violência da paixão.

Ele é ternura, é alegria...
Há uma alternância de alegria e de tristeza,
Isso acontece nos momentos de incerteza,
Há as variantes e paradoxos nessa realidade.
A alegria está presente no devaneio,
A tristeza no momento de saudade.

Mas tudo é passageiro... efêmero,
O segredo é o cerne da questão,
Resumido nas palavra: amor
e coração...

Mas, numa acurada avaliação,
O amor é mais do que um sentimento,
É o sacramento que tem a força
De fazer renascer nova realidade,
Que revigora o coração...
É, também, encanto...
É felicidade!

Hoje, longe do meu passado
Em que pude viver tantos amores,
Embora estejam impregnados no coração,
Por serem vulneráveis, o tempo os destruiu.
No amor, é outra controvérsia essa realidade...
Ele pode, sim, ser destruído pelo tempo
Mas, á qualquer momento renasce
Nas nossas saudades...


**************************************************

MEUS SENTIMENTOS
Yara Nazaré

Do recôndito da minh'alma
Meus sentimentos afloram
Nas misturas de emoções
São meus e surgem sempre
De uma constante alegria
Na minha face refletida.

Horas outras... o silencio
Se algo me dói me recolho
Procuro um local tranquilo
Tal qual o "bicho da seda".

Com fios de seda brilhante
Teço meu casulo seguro
Nele me escondo e choro
E antes de romper as fibras
Para deixar voar a borboleta
Deixo que as lágrimas rolem
Sem pressa da metamorfose
Mesmo que elas embotem
O brilho do meu olhar.

Pelos olhos eu me revelo
Se estou alegre festejam
Se triste me denunciam
São meus os sentimentos
Que afloram sem cerimônia
Na nitidez da transparência
Sem que eu precise falar.


Duetos
Inicial