NAS MINHAS SAUDADES
Tarcísio R. Costa


Os olhos da minha alma te vêem...
Em tudo o que o meu pensamento alcança,
Desde às longínquas escarpas das serranias,
Reentrâncias azuladas do horizonte,
Até os limites da esperança...

Os olhos da minha alma te vêem...
Nos jardins, na singeleza do aroma das flores,
Nas nuvens efêmeras que me dão saudade...
Na doce harmonia do canto dos pássaros,
No barco que tremula a vela distante.
No rigor da realidade...

Os olhos da minha alma te vêem...
No firmamento, entre as estrelas douradas,
Na lua, fonte de um viver de poesia,
Nos momentos de nostalgia,
No contraste das cores,
Na minha fantasia...

Os olhos da minha alma te vêem...
Nos recônditos ocultos do meu passado,
Na minha alegria e na minha tristeza,
No amor perdido nas brenhas do passado...
Na bruma melancólica... Na singeleza
Da brisa sopra na minha face...
Nas minhas saudades...

**************************************************

RECORDAÇÃO
Yara Nazaré


Hoje ao abrir as janelas
Um lindo cenário vislumbrei
Sem querer me fez recordar
De fatos do meu passado...

Observei a linha do horizonte
Avistei um lindo pássaro a voar
Entre os raios do sol dourado
E os desenhos das nuvens claras.

Foi quando me vi a pensar
Em uma certa menina arteira
Sonhadora, brejeira e faceira
Curiosa a investigar os jardins.

Procurava entre ramos e folhas
Gnomos e fadas encantadas
Que a conduzissem pelo espaço
Na esperança de poder encontrar
Seu príncipe que surgia nos sonhos
Vestido com distinção e pompa
E sua linda capa que brilhava.

No silêncio da minha janela
De repente tive a sensação
De estar a flutuar no espaço
Eu e a minha fada madrinha
Que a sorrir me conduzia
A um lindo palácio dourado.

Na janela da torre mais alta
Avistei o príncipe a me acenar
Ao ver-me logo se apaixonou
Desceu a escadaria de mármore
Tomou-me nos braços fortes
E recitou palavras de amor.

Ouvi a sinfonia dos clarins
Dos arautos que anunciaram
As mais belas bodas do reino
Nos jardins floridos de jasmins.

Desfilamos de mãos dadas
Trocamos palavras apaixonadas
Todos ao nosso redor a sorrir
Com aplausos ao nosso amor.

De repente o vento soprou forte
Senti tudo em silêncio e quieto
Acenei para o pássaro que voava
Olhei atenta ao meu redor
E só então pude perceber...

O que lembrei era tão bonito
Aconteceu um dia realmente
Mas fazia parte do passado
E eu estivera todo o tempo
A sonhar na minha janela...


Duetos de N a Z
Inicial