IMINÊNCIA

Não sei se devo fazer concessão,
libertar os meus desejos,
e ir a procura dos teus beijos...

não sei se devo partir
visando o teu destino,
à procura para te amar
em desatino...

Já te amo, mas, assim,
seria um amor unilateral...
Como sei
que também me amas,
o nosso amor,
então, está latente
pode, até não parecer
normal
viver-se um amor à distância,
mas é, também,
racional,
por que no íntimo
nos amamos..

Falta rompermos
as barreiras,
com a força
do nosso amor,
e tornarmos
realidade
os nossos sonhos
de amor...

vamos realizar
nossos desejos,
vamos estabelecer
a verdade,
e numa doce
reciprocidade,
seguiremos os ditames
do presente
do verbo amar...
assim,
pede o meu coração,
vem amor!

(Tarcisio Costa)

Inicial
Poemas de F a J