INFÂNCIA

Lembro o meu tempo de criança,
Era um mundo de belezas diferentes...
Recordo-me, ainda, de duas velhas árvores,
Hoje, transformadas em saudades...

Ficavam ao lado da morada do meu passado...
Entre elas, sempre eu via o despertar do sol,
No amanhecer sem a tristeza das nuvens...
Ouvia-se o gorjear dos passarinhos,
Alegres, ao lado dos seus ninhos...

Passado muito tempo, fixei meus olhos
Nos tristes galhos ressequidos, pela idade,
Ali estava retratado o meu passado...
Via, com saudade, nessas árvores,
Como em um espelho, refletidas,
As doces alegrias que inundavam
De amor a minha infância.

(Tarcisio Costa)

Inicial
Poemas de F a J