INTROSPECÇÃO II

Faço uma instrospeção,
Vou às entranhas do meu inconsciente
À procura de uma clara definição
Concisa, real e consequente,
Para entender o meu viver
E as minhas incertezas...
Que deixa abatida a minha alma?

Quero saber o porquê da minha tristeza,
Porque sofro por um amor que não existe mais?
Às vezes, sinto perder a calma!
Quero saber, também, porque não consigo
Me libertar da incerteza?

Não encontro uma resposta convincente,
Dessa dor e desse sofrer nasce a saudade.
Para endendê-la, falta-me lucidez.
É confusa e incoerente a minha realidade,
Vive, assim, confusa a minha mente,
É difícil conviver com a incerteza!

(Tarcisio Costa)

Inicial
Poemas de F a J