JURAS DE AMOR

Hoje não pude falar
Com o meu amor,
Aceitei isso com'um castigo...
Fiquei aporrinhado,
Falando só,
Perdi as estribeiras,
Disse mil e uma besteiras,
Cocei a cabeça, impaciente,
Não falei mais com ninguém,
Tudo pra mim deu errado,

O celular descarregou,
Sem o carregador...

O telefone estava mudo,
Não pude lhe avisar,
Que horror!
Fiquei atordoado,
Andando pra lá e pra cá,
Lembrando do seu cheiro,
De nós dois cochichando
Aquelas coisas gostosas,
próprias do amor...
Lembro dos seus olhos,
Olhando pra mim,
E eu olhando pros olhos dela...
Fico "doidim", vou rezar pra ela
sonhar comigo...
Que nesse eu lhe faça carinho
Para alegrar o seu coração.

Amanhã, no amanhecer,
Vou pegar a mais linda flor,
Entregá-la a um motobói,
Para levar pro meu amor
Junto vai um cartão,
Pedindo perdão,
Por aquilo que não fiz...

Sei que ela vai gostar,
Quem sabe,
Vai logo me perdoar...

Quando a gente
À noite se encontrar,
Vai ser "Um Deus nos acuda",
Vamos tirar o atraso,
Vou enxugar as suas lágrimas,
Com aquela flor
Vamos, pela milésima vez,
Fazer juras de amor

(Tarcisio Costa)

Inicial
Poemas de F a J