MÊDO DO MUNDO

Olho o mundo...
É harmonioso, mas é formidável,
A sua beleza é inigualável,
Mas amedronta...
Parece imensurável,
Chamam-no de natureza...
Todos os poetas cantam a sua beleza.
As estrelas, pelo seu cintilar, é encantamento,
Visto como astro, amedronta, é firmamento...
Lá, está o desconhecido, talvez a morada
Dos deuses mitológicos...
O mundo pode ser tétrico, mas é magia.
Veja os mares não têm fim...
Embaixo é o abissal,
Onde monstros têm a sua moradia,
Não são deuses mitológicos,
Embora não seja lógico
A minha assertiva...
Os desertos têm o dia escaldante,
Testemunham-no as cáfilas de viajante
Que seguem um viver sofrido,
Entre ais e gemidos...

São diminutos os oásis,
São as ilhas dos desertos,
Assim como, as ilhas são os oásis
dos mares,
Mas, nada disso me importa,
Procuro, sim, e não encontro a porta,
Que neste mundo
Nos conduz à felicidade...

Tarcísio Ribeiro Costa

Inicial
Poemas de L a O