MINHA MORENA VAMOS FORROZÁ


Minha morena olha,
vamos cumprir o estatuto
do fórro,
que diz que
proibido parar,
vem minha morena,
vem, eu quero
sentir teu balançado,
teu remelexo,
quero ver a platéia
cair o queixo.
na pancada do pandeiro,
quero ser o derradeiro,
do salão deixar,
Vou soprar no teu ouvido,
cochichos de carinho,
me chama de meu amor,
de meu querido,
Eu estou “arretado”
no tinido do triângulo,
no roncado da sanfona,
você, minha morena,
é minha dona,
quero me desmantelar,
não esqueça,
sou doido por ti,
o teu gingado
me deixa atrapalhado,
vamos forrozar
na pancada do bombo.
Eu te quero minha morena,
vem, cochilá no meu ombro,
vou te apertar,
quero o teu gemido,
na hora do remexido,
eu vivo contigo a sonhar,
vem minha morena,
vem me amar...
E, assim, até o amanhecer,
eu quero ver
o teu balançar
e a pancada do teu coração,
vamos pegar o sol com a mão,
a manhã nós teremos
muito o que falar...
Vamos juntar as nossas tralhas,
e com muito carinho,
vamos se juntar
e fazer o nosso ninho...
viver feliz por toda vida,
mas, sempre
a forrozá.

(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de L a O