MINHA MUSA II


Procuro a minha musa,
ela existe, conviveu comigo,
habitou o meu coração,
ainda inspira a minha poesia,
sinto-a no perfume nas flores,
ela está presente no encanto
nas cores...

Ainda hoje,
no despertar de cada dia,
flui da minha alma uma certa nostalgia,
porque ela habita os meus sonhos...
Vivo, assim, alimentado
da ternura de uma fantasia...

A musa não morre,
sua ausência pode trazer dor,
ela é o alimento do coração do poeta,
sem ela não haveria poesia,
creio que, também, na certa,
não haveria amor!

(Tarcisio Costa)


Inicial
poemas de L a O