Não posso ficar indiferente... Tarcísio R. Costa Nesse cataclisma de tantos desencontros De tanta incompreensão e de tanta dor, O mundo está ferido, desajustado, Falta-lhe amor... Vivemos entre o egoísmo e a indiferença, Não há mais favor, só o jogo do interesse. O ser humano é visado pela violência, É vítima em potencial do terror. Não quero viver assim. Os meus ideais, meus sonhos podem sumir... Há um efeito dominó, O ser humano desaba, É a insegurança, falta-lhe terra nos pés Sente pavor. O que agora aqui rabisco... São sentimentos confusos, de ansiedade. Não sei se a causa é meu estado de espirito, Tomara, que seja exageiro, um engano, Uma irrealidade. Fico a transmitir pessimismo, Uma bruma encobre a minha esperança, Torço para que se rasgue essa cortina E o sol a ilumine a minha mente, Quero tranqüilidade. Ao ler o que escreve o poeta, São detectáveis os seus sentimentos, Por isso que há poemas sem brilho, Fluem tristeza, saudade, a dor E as ilusões.


(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de L a O