O céu dos teus olhos Tais trigais A esvoaçarem, ao vento, Como sirgos negros, Teus cabelos Testaram meu coração. Minha alma Atônita, sem calma, Invadiu o céu do teu olhar, Prossegui em direção Aos sirgos ao vento, Ah! Aos teus cabelos Sem girasois... Contemplo o pôr-do-sol, A tristeza perfumada Do éter celeste... Aguardo a manhã seguinte, Depois da noite Negra dos teus cabelos. Hei de gurdar a rosa, Rosa vermelha Do teu cabelo, A simbolizar A minha A tua Paixão, O meu O teu Amor!


(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de L a O