O SOM VINHA DE LONGE

O som vinha de longe!
Eram instrumentos finados
Pelo vento e pelas nuvens, tocados,
Ouvia-se uma linda canção.

Ecoava do mundo sideral
Aquele som difuso.
Fiquei perplexo,
Nada via, apenas ouvia
Aquele som, assim, sem nexo
Como parece não ter nexo
Minha poesia...

Não ousem entender
O que sente o poeta ao escrever assim,
São momentos de alienação.
É como se estivesse sem coração
E agisse, apenas, o seu inconsciente,
Com lances de um inconseqüente,
Era um viver na ilusão...

Pode parecer loucura,
Mas, sinto plena minha lucidez,
Apenas, há a escassez
De um raciocínio lógico
Na minha postura.

Não dá para entender,
Onde eu pretendo chegar.
Mas cheguei a uma conclusão:
Como estou a pensar nela,
Ela está no meu coração.


(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de L a O