PAI E AVÔ

Eles chegaram...
Foram presentes do Deus Criador,
tornaram-se os meus filhos
enquanto recebia a incubência de lhes ser protetor.
Procurei ensinar que a vida é a verdade.

Que para cá viemos, para cumprirmos uma missão.
Que não devemos dissociar a mente e o coração,
Da mente sai a razão... do coração, vem amor e a emoção.

Que a nossa inter-relação, mesmo sem norma expressas,
deve apoiar-se no respeito e na mútua compreensão,
sem nunca fugirmos dos elementares princípios da razão.

Que todos temos uma inteligência e um coração,
Ambos devem seguir na vida, Emparelhados,
eles são a bússola para a orientação.

Depois, foi a vez dos filhos tornarem-se pais,
Passei, então, além de pai, ser também, avô.

Duplicou, assim, no meu coração, o carinho e o amor...
A minha vida, passou a ter a missão de ser duas vezes pai.
Os meus filhos, para o meu coração, continuam crianças,

Eu e eles somos partes integrantes da mãe natureza.
Meus olhos cintilam, nos seus momentos de alegria,
Mas, facilmente, fluem lágrimas, nos momentos de tristeza.
Sou mais do que um amigo, sou, sim, um pai e um avô.

Os meus inerentes deveres e minhas Obrigações
devem orientar o nosso caminho.
A minha disciplina, sempre será aliada ao carinho...
Que eles tenham fé...
Tenho-os nas minhas orações.

(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de P a T