QUANDO O SILÊNCIO


Quando tudo some no éter,
o véu do silêncio emudece,
a brisa recolhe-se na noite,
nasce a solidão...

Quando o silêncio ensurdece
e a brisa sibila entre as folhas
o sol entre as nuvens se perde,
aumenta a solidão...

Quando o meu jardim fenece,
e perco o perfume das flores
o silêncio surdo permanece
nasce a tristeza

Quando tudo isso é um sonho,
desperto com os passarinhos,
o silêncio me faz carinhos...
isso é a ressurreição.

(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de P a T