RETRATO

Analiso os meus dias atuais...
Penso que continua igual o meu viver...
Mas, essa assertiva cai numa incoerência
Quando fico a contemplar um retrato,
Da minha alegre e doce adolescência.
A minha alma continua a mesma...
Sinto, no dia-a-dia, a mesma emoção.
Invade um prazer imenso no meu coração,
Ao lembrar, nos meus momentos passados,
As alegrias e o prazer que minha alma sentia...
Ao ver os meus sonhos realizados.
Sinto saudade
De quando eu sentia saudades
Daquela que de mim vivia distante.
Foi um passado de ventura e de amor...
Agora nesse velho retrato flui a verdade...
Eu era, mesmo, um jovem sonhador.

Mas, o amor,
Não se separa de mim,
Cultuo o passado, por que assim,
Seja lá como seja ou como for,
Revejo os momentos vividos
Ao lado daquele meu amor...

Tarcísio Ribeiro Costa

Inicial
Poemas de P a T