SAUDADES II

Manhã fria, despertar sonolento...
Coração apertado, pelos meus sonhos,
Noite vivida no meu passado, foi um momento
Mágico em que tua ausência foi rompida...
Estavas num jardim, linda como as flores.

Vi o teu olhar a olhar para mim,
Sorriste, como o desabrochar de uma flor,
Teu os olhos, como estrelas, cintilavam, assim
Não pude, ali, reviver o nosso amor...
Pena! os sonhos são efêmeros!
Despertei com saudades...

Passei à alva contemplar,
Ela espraiava a sua luz...
Despertavam os passarinhos,
Que céleres saiam dos seus ninhos
E, nos seus galhos, alegres, festejavam
Os encantos da natureza...
Senti o desejo de te amar...

O sonhos geram melancolia,
Eles são furtivos... são passageiros,
Às vezes, são apenas fantasias.
Mas... é nessa tristeza dos meus sonhos,
Que enche minha alma de poesia.
(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de P a T