SOLIDÃO III

Eu sou um poeta
De tudo o que passou...
Das nuvens de bronze
Desfeitas em lãs,
Que se foram...

Não mais conheço,
No presente, a verdade,
Vivo imerso na saudade
Que me consome de dores...

Sou do mundo da solidão,
Convivo entre as flores,
Nos bosques de sonhos,
No meio de borboletas...

Rasgo-me nos espinhos,
Que protegem as minhas flores.
Sinto falta dos carinhos,
Que me davam os meus amores.

Cadê os meus amores?
Deixaram o meu coração.
Vou cuidar do meu jardim...
Para minorar a solidão.


(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de P a T