SONHO


A fumaça no ar faz interrogações...
É o destino dos corpos desfalecentes.
Os velhos castiçais das chamas ardentes,
Pálidas de tristeza funesta,

Exalam o perfume do fim...

Lágrimas da agonia
Dos que contemplam o destino
Na lousa fria do momento final...

O poeta desperta desse sonho,
Aturdido pelas intempéries da vida,
Ante à ressurreição do nada...

E os ventos levam o cheiro das velas
Para as nuvens de bronze,
Que são manchas
De saudade...

(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de P a T