SOU A NATUREZA

Eu sou a natureza,
Eu sou a beleza verdejante da floresta,
Eu sou a alegria, eu sou a festa
Dos passarinhos cantando...
Eu sou o mar clamando,
Sou o silêncio do deserto...

Eu sou o a vida feita de encanto,
Que ri, que chora, que sente dores,
Eu sou magia da beleza e da alegria
Que inspira e flui toda a poesias,
Na minha mistura de cores.

Eu sou o céu beijando o mar,
Lá, onde fica o horizonte,
Local dos nossos sonhos e ilusões...
Ponto em que desaparecem os barcos
Que nos roubam os nossos amores,
Deixando-nos cheio das dores
Da tristeza e da saudade...

Eu sou a Natureza, sou a alegria,
Do cantar sonoro dos passarinhos,
Festejando a aurora, o começo de cada dia,
Também, no ocaso, na hora da Ave Maria,
Quando retornam aos seus ninhos...

Eu sou a natureza, sou a dor,
Sou vítima da ignóbil destruição,
Quando o insensível ser humano
Comporta-se como um insano,
Trazendo-me poluição.

Sou a natureza sem nostalgia,
Sou a beleza das cores,
Sou manhã, sou tarde, sou o dia,
Comigo vive a alegria,
Da beleza flores.

Em uma eclética observação,
Sou a alegria, sou a tristeza, sou a dor.
Sou para os poetas, o encanto a beleza,
Sou o berço de um mundo de contradição,
Sou a natureza... A obra do Criador.

(Tarcisio Costa)


Inicial
Poemas de P a T